Home
Ontem, dia 27 de Outubro, durante a tarde, realizou-se o II Seminário Forbev no auditório da Direcção Regional de Educação do Alentejo, sob a organização da Biblioteca Pública de Évora. O tema lançado para este ano foi “Literacia(s) e aprendizagem na biblioteca escolar” sob o título “Para além da Branca de Neve”.

O seminário, que pretendeu reunir bibliotecários, professores, investigadores, autarcas e técnicos de educação, teve como objectivo focar a atenção dos papéis das bibliotecas escolares no apoio à literacia e/ou literacias da informação, ou seja, sublinhar a existência de outras literacias, nomeadamente a literacia da informação, e divulgar e discutir algumas práticas já desenvolvidas por bibliotecas do nosso país.

Aqui ficam uns breves tópicos das várias comunicações por sessão.

1ª Sessão

Literacia e aprendizagem na biblioteca escolar
Maria Teresa Calçada
(coordenadora do Gabinete das Bibliotecas Escolares, responsável pelo programa Rede de Bibliotecas Escolares e comissária adjunta do Plano Nacional de Leitura)

A literacia ou as multiliteracias exigidas para aprender e para aprender ao longo da vida têm e devem ser adquiridas precocemente e durante o percurso escolar, convocando para tal metodologias de pesquisa e de investigação que resultem do trabalho colaborativo da(s) biblioteca(s) com todos os elementos da escola, viabilizando-se, assim, a construção do saber.


Biblioteca, educação e literacia informacional em Portugal: resultados do projecto eLit.pt
Viviana Fernández Marcial
(consultora de investigação do projecto Literacia informacional no Espaço Europeu do Ensino Superior: estudo da situação das competências da informação em Portugal (eLit.pt), coordenado por Armando Malheiro da Silva)

O estudo apresenta resultados sobre o nível de competências informacionais dos estudantes portugueses no ensino secundário e superior. Estes mostraram um nível muito deficiente de competências cognitivas quanto à selecção, pesquisa, elaboração e filtragem de informação. Este problema obriga a pensar n carência de uma política educacional e bibliotecária/informacional que enquadre melhor e estimule uma melhor performance por parte dos estudantes.

Da Branca de Neve ao Wall-E: experiências de literacia(s) e novas modalidades de aprendizagem na Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras
Maria José Amândio
(coordena o Programa Copérnico na promoção de literacias de informação das Bibliotecas Municipais de Oeiras; é formadora no domínio das Bibliotecas Escolares, litearacias e ambientes digitais)

Nesta comunicação realizou-se uma retrospectiva das experiências da Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras em torno dos serviços direccionados para a promoção das literacias de informação e modalidades de aprendizagem com base no potencial das tecnologias da informação e comunicação (TIC) e ferramentas Web 2.0. Da Branca de Neve ao Wall-E, procura a analogia com a abrangência conceptual que compreende, desde as designadas literacias convencionais e elementares, associadas ao clássico conto de fadas, até à multiplicidade de literacias inerentes aos ambientes digitais e ao incentivo à criação textual, hipermédia e multimédia, simbolicamente representadas na história de animação que perspectiva o futuro da humanidade em 2700.

2ª Sessão


Formar para as Literacias
Carolina Cabaças
(desempenha funções na Biblioteca Escolar da EB1 de Castro Verde nos anos lectivos de 1996/97 e 2006/2009 e Professora do 1º ciclo do Ensino Básico na mesma escola)

Natércia Duarte
(Professora do 1º ciclio do Ensino Básico na EB1 de Castro Verde)

A Biblioteca da EB1 de Castro Verde tem desempenhado um importante papel ao longo dos últimos anos na dinamização de projectos orientados para a formação global dos alunos, através de um trabalho articulado com os professores/educadores no âmbito da Área de Projecto. Após dois anos de desenvolvimento do Projecto “Vamos contar… História”, que abordou essencialmente a temática da História de Portugal, considerou-se pertinente complementar o mesmo com um novo projecto, desta vez orientado para o estudo do património natural, histórico e cultural português, uma vez que o seu reconhecimento e valorização é actualmente uma das competências gerais do 1º ciclo do Ensino Básico, estando presente ao longo dos quatro anos de escolaridade.

A biblioteca escolar a serviço da aprendizagem
Carlos Dinis Pinheiro
(coordenador da Biblioteca da Escola EB 2,3 Padre Alberto Neto em Sintra, coordenador local das Bibliotecas Escolares do Concelho de Cascais na RBE)

Diversos estudos mostram inequivocamente que as Bibliotecas Escolares podem contribuir de forma clara para o ensino e a apredizagem, podendo-se mesmo estabelecer uma relação entre a qualidade do trabalho na Biblioteca e os resultados escolares dos alunos. A emergência de novos ambientes e formas de aprendizagem colocam às bibliotecas e aos professores novos desafios e novas responsabilidades. Às potencialidades e requisitos do novo contexto devem corresponder estratégias que, na prática – através de filosofias de funcionamento renovadas e mais flexíveis, de novas competências e de novos serviços – permitam diversificar e reforçar o campo de acção da biblioteca, enquanto mediadora de conhecimento e instrumento de aprendizagem.

Bibcom.Évora – cooperar, divulgar, aprender
Isabel Fernandes
(coordenadora da BE/CRE da EBI André de Resende, pertence ao secretariado do Forbev e à equipa do projecto Bibcom)

Fernando Gameiro
(professor do Ensino Secundário, investigador do CIDEHUS e coordenador do projecto Bibcom.Évora)

A promoção e a visibilidade junto da comunidade das boas práticas que proliferam nas bibliotecas cooperantes, ou mesmo na divulgação de iniciativas ou de produtos, tem-se revelado muito difícil para além das comunidades escolares restritas. O projecto Bibcom – promover e integrar as bibliotecas escolares na comunidade – premiado na Candidatura de Mérito da Rede de Bibliotecas Escolares 2008 -, propõe ultrapassar estes obstáculos apostando em duas áreas de acção. Primeiro, a criação de uma infra-estrutura informática física que suporte uma plataforma electrónica de referência, permitindo a colaboração efectiva entre escolas; segundo, concentrar num portal web os sítios, os catálogos e as actividades estruturantes desenvolvidas pelas bibliotecas, promovendo a troca de experiências e apostando na autoformação.

Anúncios
Posted in: Sem categoriaComentários Desativados em Para além da Branca de Neve