Home

…para se conseguir a sabedoria nada mais é tão útil, e de maior necessidade do que uma biblioteca pública à qual concorram os que desejam instruir-se…

Assim começam os Estatutos através dos quais Frei Manuel do Cenáculo fez, a 21 de Setembro de 1811, doação perpétua da sua volumosa biblioteca particular à Igreja Metropolitana de Évora. Frei Manuel do Cenáculo, encarava a instrução dos seus clérigos e dos seus paroquianos uma parte fundamental da sua acção pastoral e considerava a instituição de uma Biblioteca-Museu como a melhor forma de atingir os seus propósitos como fica explicito no preâmbulo dos Estatutos:

…depois de termos deixado na nossa primeira Diocese de Beja uma Biblioteca completa e proporcionada para se cultivarem os Estudos Eclesiásticos, que deixamos fundada, ainda nos recolhemos a esta nossa Amada Diocese com grande número de mil volumes e Manuscritos, e Impressos, alguns os mais raros, e pode ser que até únicos, e singulares, acompanhados de uma grande cópia de pinturas (…); como também acompanhadas de muitas raridades históricas artificiais, e naturais, que muito ajudam a instrução (…) Atendendo nós a tudo isto, e achando que Évora, esta nossa querida metrópole, e mãe de tantos sábios da primeira ordem, e que em todas as idades até à nossa tem sido a pátria das ciências, e o mais proporcionado assento que a Divina Providência nos podia conceder para nele colocarmos tudo quanto no largo espaço de nossos dias temos adquirido, sempre com o fim de o santificarmos, aplicando-o para aproveitamento e instrução dos fiéis, principalmente dos que se destinam ao sacerdócio …

A doação era feita com a obrigação de os seus sucessores manterem a biblioteca pública e garantirem a dotação de 500.00 reis da Mitra, para as despesas de pessoal e manutenção da mesma.

» Biblioteca Pública de Évora – Uma porta de acesso ao conhecimento

Anúncios

One thought on “200 Anos dos Estatutos da BPE

  1. Parabéns! É muito tempo e muito serviço prestado. A propósito: vi na tv uma matéria sobre a transformação de catedrais católicas européias em espaços diferentes, inclusive danceterias! Creio que, desde que a Igreja vá desfazer-se de tais prédios, os governos deveriam adquirí-los para montar bibliotecas e centros de formação artístico-cultural. Por último: cliquei na imagem “évora é aqui”, na lateral do blog, e cheguei a um lindo sítios. Recomendo. Abraços!

Os comentários estão fechados.